Tecnologia e educação: quais os desafios de implantá-la no ensino

Atualizado em

Em um mundo conectado em rede no qual as crianças já nascem em um contexto permeado por ferramentas digitais, aliar tecnologia e educação nunca foi tão necessário.

A cada dia, mais instituições de ensino percebem a importância de aderir à transformação digital e trazer para a rotina educacional métodos que estejam alinhados com as vivências de crianças, adolescentes e jovens das novas gerações.

Neste texto, você vai entender quais são os principais desafios que gestores e educadores estão enfrentando em relação ao uso de tecnologia e como superá-los em busca de uma educação interdisciplinar e híbrida.

Como a tecnologia se faz presente na educação?

Integrar tecnologia e educação vai muito além de usar ferramentas pontuais de forma eventual na sala de aula. É possível que ferramentas tecnológicas façam parte de toda rotina de uma instituição de ensino. A seguir, veja alguns exemplos.

Gestão

A gestão educacional é uma das grandes beneficiadas com integração de tecnologia e educação. Em meio a um dia a dia repleto de responsabilidades e tomada de decisões, é preciso trabalhar de forma eficaz.

Por isso, ela ganha na tecnologia uma aliada para otimizar os processos, conferir maior índice de acertos e garantir melhores resultados em suas iniciativas e planejamentos.

Com o auxílio de ferramentas de automação e de análise de dados, o gestor tem à mão informações precisas para criar melhores estratégias pedagógicas e administrativas.

Professores

Para os professores, a união de tecnologia e educação possibilita que novas metodologias de ensino sejam utilizadas. Elas passam a ser mais adequadas para o contexto dos alunos, que convivem diariamente com essas ferramentas digitais.

Em vez dos métodos tradicionais, os professores podem inovar suas propostas, tornando-as mais atrativas aos alunos e caminhando rumo a estratégias pedagógicas centradas no aluno, como a utilização da sala de aula invertida.

Alunos

É comum ver crianças na primeira infância completamente à vontade no manuseio de ferramentas digitais. Levá-las para a sala de aula sem que essas ferramentas estejam integradas ao processo educacional pode gerar desinteresse e frustração.

Unindo tecnologia e educação, é possível atender nativos digitais e outras gerações já adaptadas ao contexto tecnológico. O aprendizado se torna muito mais fluido e prazeroso, gerando alunos mais aplicados e engajados.

Quais são os desafios de unir as duas áreas?

É claro que, como em qualquer outro processo de inovação, existem desafios para colocar em prática a integração de tecnologia e educação. Entenda, a seguir, quais são alguns dos fatores que a gestão escolar precisa avaliar e como superar possíveis obstáculos.

Engajamento dos alunos

Um dos grandes receios de educadores quando o assunto é tecnologia em sala de aula é a questão da perda de foco nos conteúdos pelo simples manuseio das ferramentas.

Encontrar equilíbrio nesse sentido, certamente, é um dos maiores desafios. Porém, não pode ser pretexto para que se abandonem iniciativas tecnológicas na educação, afinal, elas podem ser muito úteis.

Em vez de banir ferramentas digitais das instituições de ensino — como era feito anos atrás —, é preciso desenvolver maneiras de conscientizar os alunos em relação ao uso e engajá-los com metodologias que tragam a tecnologia como suporte, sendo intermediária para processos valiosos.

Adaptação dos professores

A internet facilitou o acesso à informação; atualmente, pessoas de todas as idades têm nela a principal fonte para aprendizado. Frente a isso, o papel do professor também muda, já que ele não é um detentor exclusivo de conhecimentos.

Em vez de transmissor de saberes, o professor passa a atuar como intermediador entre a informação e o aluno, além de mentor, para que a aprendizagem seja facilitada.

O professor também precisa ter uma mentalidade de educação interdisciplinar, onde conteúdos de diferentes áreas possam ser cruzados e contextualizados para um aprendizado mais orgânico e próximo à realidade.

É preciso que a gestão garanta ações de treinamento e atualização, para que os professores — muitas vezes, de gerações mais antigas — possam se adaptar ao novo contexto.

Atualização constante

Um dos desafios de lidar com tecnologia é seu constante e rápido desenvolvimento. Plataformas e métodos usados há poucos anos hoje já são descartados. É claro que isso gera custos para a gestão.

Melhor do que encarar isso como um problema é perceber as possibilidades em torno dessas transformações constantes.

A gestão educacional que acompanha esses movimentos consegue estar permanentemente atualizada e é beneficiada pelo que há de mais eficiente no meio tecnológico, obtendo, assim, resultados melhores.

Ferramentas corretas

A escolha de ferramentas certas é ponto central da transformação tecnológica no contexto educacional. Essa deve ser uma preocupação dos gestores e educadores, pois vai influenciar diretamente o sucesso da aprendizagem.

Atualmente, já é possível utilizar em sala de aula artifícios como:

A diversidade das ofertas pode causar indecisão, mas um estudo aprofundado sobre benefícios e formas de integrar cada uma dessas tecnologias é fundamental.

São as ferramentas corretas que produzirão engajamento, estímulo e interação na medida certa para a transmissão de conteúdos.

Interdisciplinaridade

Um dos grandes alvos educacionais é a educação interdisciplinar, que fomenta o diálogo entre duas ou mais áreas de conhecimento, em vez de se ater a saberes fechados em si mesmos.

A educação interdisciplinar é mais desafiadora, pois exige métodos inovadores, domínio dos conteúdos e parceria entre professores, gestão e tecnologias. No entanto, os resultados são extremamente gratificantes e permitem que os alunos tenham uma visão mais completa do mundo e dos saberes.

Unir tecnologia e educação já é, em si mesmo, um ato interdisciplinar. No ensino, ele é facilitado por ferramentas que dão aos alunos a possibilidade de conectar informações e criar as próprias lógicas em relação aos conhecimentos.

Ensino híbrido

Com foco na integração do universo digital ao espaço físico educacional, o ensino híbrido é mais um alvo para as instituições que querem unir tecnologia e educação. Esse conceito mescla metodologias presenciais e EaD para otimizar o ensino e permitir uma aprendizagem mais fluida e com maior aproveitamento.

Essa estratégia é cada vez mais comum, já que as ferramentas digitais fazem parte do cotidiano dos alunos. É possível valorizar a aprendizagem individual com os materiais disponibilizados na plataforma e, de forma paralela, complementar os conhecimentos adquiridos com a interação na sala de aula.

A transformação digital não pode passar em branco nas instituições de ensino. Se bem articulada, a união de tecnologia e educação permite uma gestão educacional mais eficiente e um ensino mais dinâmico e contextualizado ao mundo atual. 

Se você gostou deste artigo, aprofunde-se no assunto ao descobrir quais são as tecnologias fundamentais para instituições de ensino!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.