quais as profissões do futuro

Você sabe quais são as profissões do futuro? Confira as 8 principais!

webinar_PIX
Lyceum - Acervo Acadêmico Digital

Graças à transformação digital, o mercado de trabalho está passando por uma profunda reformulação, em que muitas profissões tendem a perder espaço e serem até extintas, enquanto outras que ainda são pouco requisitadas ou conhecidas passarão a ser dominantes.

Saber quais são essas profissões é de suma importância para que as instituições de ensino possam preparar a sua estrutura para lidar com essa nova realidade. Para os alunos, é uma oportunidade de conhecer essas novas profissões e começarem desde já se a preparar para assumir este posto.

Neste post, vamos entender quais são as profissões do futuro, suas características e por que elas serão tão requisitadas. Confira!

1. Designer de inovação

Com a demanda cada vez maior por produtos inovadores em todos os setores produtivos, uma profissão que será cada vez mais buscada por empresas de todos os segmentos é o designer de inovação, ou seja, aquele que consegue conceber ideias e funcionalidades que entregam valor, por meio de soluções inovadores — seja criada do zero ou aprimorando algo existente.

Não existe ainda uma formação acadêmica para essa área, mas já há alguns cursos específicos e pós-graduações que trabalham com processos inovadores, principalmente voltados para profissionais provenientes da engenharia.

2. Analista de Big Data 

Com a explosão de dados que são produzidos e coletados pelas empresas, de inúmeras fontes, é cada vez maior a busca por profissionais que viabilizem a transformação desses dados em informação que gere valor para as corporações. 

A extração de insights permite o aprimoramento na tomada de decisão, que contribuem para que a empresa melhore a sua produtividade, a qualidade do produto, o atendimento, as ações de marketing, o mapeamento do mercado, entre outros. 

Os profissionais procurados para trabalhar como analista de Big Data precisam dominar ferramentas e técnicas, como estatísticas, ciência e dados, e até áreas mais específicas como marketing, vendas e atendimento. 

3. Especialista em segurança da informação

Com o volume de informações produzido e o valor que esses dados tem para a gestão, a preocupação com segurança só tende a crescer. Primeiramente, pelo fato de os criminosos virtuais utilizarem técnicas cada vez mais sofisticadas para invadir e roubar dados. Além disso, há as legislações de proteção de dados, cada vez mais rigorosas para proteger as pessoas físicas contra a perda de suas informações sigilosas.

Nesse cenário, os profissionais de segurança da informação serão cada vez mais requisitados. Esses profissionais terão como premissa principal o conhecimento aprofundado dos sistemas que vão proteger, além de se especializarem nas técnicas e artimanhas utilizadas pelos criminosos virtuais. Conhecer as táticas dos inimigos é um grande passo para reduzir e/ou impedir a sua execução e atenuar os seus impactos.

4. Gestor de design de negócios de inteligência artificial

Outra profissão que vai se aprimorar e gerar uma grande demanda das empresas é a de gestão de desenvolvimento de negócios com inteligência artificial. Esses profissionais trabalham estratégias para melhorar os números da corporação, tendo como base a inteligência artificial — um bom exemplo é a criação de fluxos conversacionais aprimorados com IA para reduzir filas de espera e tornar o atendimento mais humanizado.

É atribuição desse profissional lidar com planejamento e criação de conteúdos, análise de riscos, com soluções inteligentes e capacidade de análise de dados com a utilização de técnicas de machine learning.

5. UX designer

Outro profissional que vai ganhar cada vez mais destaque nos próximos anos é o responsável por projetar a usabilidade de um produto digital, um site ou um software, tendo como ponto de partida a experiência do usuário. Isso porque, com as pessoas cada vez mais conectadas com os recursos digitais, a usabilidade é fator preponderante para a fidelização.

O profissional de UX — user experience — é responsável pelos testes de usabilidade, mantendo contato direto com os usuários para entender as principais demandas e dificuldades. A partir de dados sólidos coletados nessas pesquisas, aliados ao conhecimento de design de interfaces e de arquitetura da informação, ele consegue criar o ambiente mais propício para satisfazer a demanda de cada tipo de usuário.

6. UI designer

O design de interface do usuário trabalha em conjunto com o UX designer para entregar um produto digital que esteja 100% alinhado às necessidade do usuário. Esse profissional é o que será responsável por analisar as informações obtidas e mapeadas pelo UX para projetar a aparência de um produto.

O crescimento na procura por esse profissional acontece em um momento em que há a necessidade de garantir que os usuários consigam uma interação intuitiva em todos os pontos de contato com os produtos digitais.

Para isso, esse profissional, além do documento em design de interface, deverá ter algum domínio em codificação, para que o seu projeto seja factível e viável quando chegar nas mãos da equipe de desenvolvimento — um profissional 100% leigo em lógica de programação pode acabar projetando algo inviável para quem cria os lógicos e atrasar o desenvolvimento de um projeto.

7. Gerente de marketing analytics

Os gerentes de marketing analytics são profissionais que têm a incumbência de disponibilizar para os stakeholders os insights retirados de dados, em especial, informações que propiciam a automação de marketing, relacionamento com cliente, entre outras ferramentas de inteligência de negócios.

Para esse cargo, o profissional deve dominar algumas competências, como marketing, conhecimentos em inteligência artificial, análise de dados, raciocínio analítico e capacidade colaborativa.

8. Desenvolvedor de dispositivos wearables

Os dispositivos vestíveis estão ganhando o mercado e necessitam de desenvolvedores para criar soluções que atendam demandas específicas. Entre esses objetos se destacam os óculos, lentes, relógios e roupas dotadas de algum algoritmo, que dão funcionalidades que facilitam o dia a dia das pessoas. 

Um exemplo de dispositivo wearable é o Google Glass, que acabou não fazendo o sucesso esperado, por ter sido lançado de forma apressada e sem avaliação de mercado. Mesmo não chegando nem perto do alcance de marca esperado, o dispositivo da Google deu o start para o desenvolvimento de soluções vestíveis que se conectam à realidade aumentada. Assim, a busca por profissionais que consigam criar essas soluções tende a aumentar cada vez mais.

Esperamos que, após a leitura deste post, você possa ter uma visão mais abrangente sobre quais as profissões do futuro serão as mais requisitadas e o que essa busca sinaliza para os dias atuais. É importante mapear desde já os movimentos relacionados à transformação digital que indicam o crescimento na importância dos dados e da inteligência artificial e como essas duas variáveis estão relacionadas em uma série de profissionais.

Gostou do post? Então, continue com a gente e entenda como os gestores precisam se preparar e encarar o futuro da educação.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Parceiros