mulher estudando no quarto

Afinal, o que é lifelong learning e qual a sua importância?

Atualizado em

Viver em uma sociedade globalizada e cada vez mais tecnológica impõe muitos desafios. É preciso estar preparado para se adaptar às mudanças e também estar atento ao fluxo cada vez mais acelerado das informações. Para manter-se qualificado é fundamental, antes de tudo, entender a educação como um processo contínuo: o lifelong learning.

Essa mudança de perspectiva se propõe a ultrapassar uma visão de educação que limita o aprendizado aos sistemas escolares formais — do ensino básico à pós-graduação — para compreendê-la como um processo no qual a aquisição de conhecimentos e habilidades ocorrem ao longo da vida.

Constituído por quatro pilares, o lifelong learning — em português, aprendizagem contínua ou educação para toda vida — é um importante caminho não só para pensar a Educação no século XXI, como também o ambiente corporativo, enquanto estratégia de formação profissional.

Veja neste conteúdo o que é o lifelong learning, as vantagens do e-learning para essa forma de trabalhar o processo de ensino-aprendizagem e por que adotá-la nas Instituições de Ensino Superior (IES). Continue a leitura!

O que é lifelong learning?

“O conceito de educação ao longo da vida é a chave que abre as portas do século XXI; ele elimina a distinção tradicional entre educação formal inicial e educação permanente”, afirma Jacques Delors, no relatório “Educação: um tesouro a descobrir” , da Unesco.

Essa noção, que surge na Europa na década de 1970 e ganha força a partir de 1990, compreende a educação como um processo perene, que ultrapassa os limites das instituições, idade e nível social. Nesse sentido, investir em lifelong learning significa estimular de maneira voluntária, proativa e permanente o desenvolvimento pessoal e profissional do indivíduo, a partir das mais diversas experiências de aprendizagem.

Além do campo da Educação, o conceito tem sido adotado no ambiente corporativo para incentivar o fortalecimento de uma cultura organizacional que valorize o processo de aprendizagem entre os colaboradores.

Afinal, em um mercado de trabalho tão competitivo, já não basta ao profissional o domínio de uma função. É preciso um processo de formação contínuo, que o ajude a desenvolver um conjunto de habilidades pessoais e profissionais para lidar com os desafios do ambiente corporativo e do mercado de trabalho.

O primeiro passo para colocar o lifelong learning em prática é conhecer seus quatro pilares. Para ajudar nessa tarefa, vamos explicar cada um deles.

Aprender a conhecer

É o processo de aprendizagem que tem como principal finalidade a aquisição dos saberes. No entanto, cabe ressaltar que aprender a conhecer ultrapassa o domínio de um determinado conteúdo e significa o prazer de compreender, construir e reconstruir o conhecimento.

Esse processo de formação continuada visa estimular o senso crítico e a capacidade dos sujeitos de refletirem e se posicionarem frente aos diferentes contextos. Para isso, é preciso instigar a curiosidade e a atenção, desenvolver autonomia e dominar diferentes linguagens. Abrange também a necessidade de aprender a pensar e não apenas reproduzir um pensamento, além de desafiar o sujeito a criar e reinventar o futuro.

Aprender a fazer

Como as exigências das profissões mudam cada vez mais rápido, não basta estar preparado para desempenhar uma função, é preciso ser capaz de enfrentar as novas situações de emprego. Por isso, mais do que uma qualificação profissional, aprender a fazer implica, de forma mais abrangente, a habilidade de enfrentar desafios e trabalhar em equipe.

Fundamental na formação do trabalhador, esse fazer vai além de uma prática instrumental e envolve habilidades humanas que se manifestam nas relações interpessoais mantidas no ambiente de trabalho, como iniciativa, intuição, boa comunicação, capacidade de resolução de conflitos e estabilidade emocional.

Aprender a conviver

Aprender a conviver refere-se à capacidade das pessoas de compreender o outro, de estabelecer vínculos sociais e gerenciar os conflitos. Para isso, é preciso que o sujeito esteja disposto a participar de projetos em comum, cooperar com o outro e somar seus conhecimentos individuais em prol da coletividade. Tal envolvimento permite não só a troca de experiências, como traz importantes benefícios para qualquer ambiente de trabalho.

Aprender a ser

A educação também deve proporcionar o desenvolvimento integral da pessoa, de modo que ela possa agir com cada vez mais autonomia, discernimento e responsabilidade pessoal.

Por isso, o processo de aprendizagem precisa desenvolver as potencialidades do indivíduo, como a inteligência, a sensibilidade, a memória, o raciocínio, o sentido ético e estético, o pensamento autônomo e crítico, a imaginação, a criatividade, a iniciativa, as capacidades físicas e também a aptidão para comunicar­-se.

Quais os benefícios do e-learning para uma aprendizagem contínua?

Os avanços tecnológicos têm sido fundamentais para tornar o lifelong learning mais acessível. Graças à popularização dos dispositivos mobile, o ensino, antes restrito ao ambiente formal da sala de aula, ganha novas possibilidades e espaços por meio do e-learning — em português, ensino eletrônico.

Realizado a partir de plataformas digitais e 100% on-line, o e-learning é base para o desenvolvimento de novos formatos de cursos on-line, programas de capacitação e até cursos de graduação e pós-graduação a distância. Isso amplia as possibilidades de formação das pessoas, que têm a possibilidade de estudar quando e onde quiser e também definir seu próprio ritmo de aprendizado.

Além disso, a interação propiciada pela internet permite uma modalidade de ensino a distância mais dinâmica, que investe em novas formas de aquisição de conhecimento. Elas ultrapassam a relação professor e aluno e se estabelecem também na troca de experiências e aprendizado colaborativo, princípios fundamentais para o lifelong learning.

 

Por que adotar o lifelong learning nas Instituições de Ensino Superior?

Longe de concorrer ou questionar a educação formal, o lifelong learning é um importante aliado, que pode ser explorado nas Instituições de Ensino Superior (IES) como forma de instigar os alunos em seu processo de aprendizado e também incentivar seu desempenho acadêmico, pessoal e profissional.

Para isso, pode-se, por exemplo, criar uma grade diferenciada de disciplinas, que estimulem atividades extra-curriculares de autoaprendizagem. Outra possibilidade é a oferta de cursos de curta duração e treinamentos on-line, que proporcionem aos estudantes o desenvolvimento de diferentes habilidades exigidas pelo mercado de trabalho.

Além de beneficiar a comunidade acadêmica, uma IES que investe no processo de formação continuada também tem a possibilidade de explorar novos públicos, com a oferta de cursos de curta duração, treinamentos ou capacitações direcionados aos profissionais que desejam se manter atualizados.

Outra importante oportunidade são as parcerias e convênios com as instituições que desejam investir no processo de aquisição de conhecimentos de seus funcionários.

Neste texto, destacamos a importância do lifelong learning como um processo de valorização do aprendizado, que confere ao indivíduo a corresponsabilidade no seu processo de formação. Essa busca por uma aprendizagem contínua exige que as IES estejam preparadas para as novas exigências da sociedade e invistam em novas modalidades de ensino. Grande parte delas ancoradas nas novas tecnologias, como o e-learning.

Gostou do nosso artigo? Então, continue conosco e aproveite para saber mais sobre a evasão universitária. Não perca!

mapa de metodologias ativas

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.