gestão escolar

O que é Gestão Escolar? Você sabe conduzir sua escola da melhor forma?

A gestão escolar é a administração da escola como um todo. Os gestores são os responsáveis por integrar os diferentes setores da instituição de ensino, identificar as necessidades de cada um, acompanhar resultados, incentivar lideranças e tomar decisões que interferem direta ou indiretamente na qualidade do ensino oferecido aos alunos.

Embora seja algo imprescindível em qualquer instituição de ensino, a gestão escolar ainda é um assunto que inspira debates sobre as melhores práticas. Em muitos casos, os gestores que assumem os cargos de liderança são professores com larga experiência na vida acadêmica, mas nem sempre com expertise administrativa.

Outro ponto é que algumas escolas contam com uma administração familiar, transmitida como um cetro, de geração em geração, e os processos são geridos muito mais com base em ações enraizadas pela tradição do que em processos estruturados.

Somente com uma gestão escolar atualizada e com foco estratégico, sua instituição de ensino conseguirá sobreviver em um cenário de crises econômicas, avanços tecnológicos, competitividade e quebras de paradigmas sociais, que surgem a uma velocidade estarrecedora.

Se você quer saber como construir uma gestão escolar eficiente, confira alguns dos principais conceitos da atualidade e as alternativas para um excelente desempenho administrativo e pedagógico. Acompanhe as próximas linhas!

O que é a gestão escolar?

A escola é uma organização de alta complexidade, que envolve os setores pedagógico e técnico-administrativo, práticas e públicos (alunos, professores, funcionários, pais, mantenedores, acionistas e a comunidade em geral).

Como administrar todas essas forças e alinhá-las, com o principal objetivo de desenvolver e formar os alunos com a máxima qualidade?

A resposta está na gestão escolar, que é a maneira de garantir que todos os setores e as pessoas presentes na instituição estejam integrados aos objetivos institucionais — atuando não apenas para valorizá-los, mas para que os resultados contribuam, direta ou indiretamente, para o crescimento da organização.

Isso significa garantir o pleno funcionamento de um conjunto de elementos que formam o todo da escola, tais como:

  • estrutura física;
  • recursos humanos;
  • área pedagógica;
  • área financeira, compras e afins;
  • área jurídica;
  • atendimento a entidades de classe e órgãos fiscalizadores;
  • negócios;
  • comunicação e marketing;
  • serviços;
  • atendimento às famílias;
  • acompanhamento e suporte ao aluno;
  • processos administrativos.

A gestão escolar implica um conjunto de práticas colaborativas que devem garantir um ambiente adequado para o desenvolvimento de um trabalho pedagógico de alta qualidade. A gestão observa a escola de maneira global, e como cada processo pode impactar, positiva ou negativamente, no desempenho do ensino e na satisfação dos alunos e de seus familiares.

Vale ressaltar que o conceito de gestão escolar é mais amplo do que a gestão acadêmica e a gestão administrativa. Enquanto esses dois últimos termos se referem ao gerenciamento de estruturas específicas, a gestão escolar está focada no desenvolvimento de estratégias que possibilitam o aumento da eficácia dos processos institucionais como um todo, e que garantem a melhoria do ensino ofertado.

Quando a gestão é vista como um elemento prioritário no desenvolvimento de cada ação, a escola ganha condições de estabelecer um progresso sustentável. Por esse motivo, a figura do gestor — que, em muitos casos, carrega a função de diretor pedagógico e administrativo — precisa exalar motivação e competência, além de incentivar a prática reflexiva e fomentar o diálogo e a cooperação entre todos os atores da escola.

Para que a gestão escolar funcione plenamente, tanto do ponto de vista administrativo quanto do pedagógico, a liderança precisa assumir um “modelo distribuído”, em que cada coordenador de área ou responsável de setor consiga encorajar responsabilidades individuais e semear os objetivos institucionais.

A gestão escolar lida, o tempo todo, com o desafio de conduzir as pessoas de maneira eficiente e criar equipes diversificadas, a fim de manter esse trabalho colaborativo e orientar o fortalecimento dos objetivos e dos resultados em prol do desempenho institucional.

Quanto mais conhecimentos tiver sobre todas as rotinas educacionais e administrativas, mais a gestão escolar saberá sobre os cenários institucionais e as condições de definir estratégias de ação relevantes — para a execução da proposta pedagógica, a administração de recursos e o zelo pelas relações interpessoais (entre alunos, professores, escola, pais e comunidade).

Qual é o objetivo da gestão escolar?

Na gestão escolar, a preocupação é lidar com os aspectos envolvidos na rotina da instituição. Quem cuida dessa parte tem o objetivo de garantir que tudo funcione corretamente, ou seja, que cada setor da escola realize suas tarefas e se mantenha organizado para melhorar, continuamente, a qualidade do ensino oferecido aos alunos.

Esse é um desafio que envolve uma série de tarefas. O gestor, por exemplo, é quem incentiva a busca por resultados, motiva lideranças, identifica as necessidades de cada setor, toma decisões e cria maneiras de estimular a participação das famílias na comunidade escolar.

Quais áreas incluir na gestão escolar?

Como dissemos, a gestão escolar tem um olhar integral sobre a instituição. Ela é dividida em duas grandes áreas, sobre as quais falaremos agora. Comentaremos como deve ser a atuação dos respectivos colaboradores no ambiente escolar e qual é a importância de cada nicho para os resultados da instituição. Acompanhe!

Técnico-administrativa

A gestão técnico-administrativa compreende todas as ações para garantir o pleno funcionamento de uma instituição de ensino. Trata-se da parte mais burocrática da gestão escolar, pois envolve questões estruturais, processos e políticas institucionais, área financeira, atendimento, comunicação, normas e legislação.

No caso de uma escola, é importante saber que a gestão administrativa é o setor que dá o suporte fundamental para a área acadêmica. Embora a construção do PPP (Projeto Político-Pedagógico) não seja subjugada à área administrativa, é importante que ambos estejam alinhados, pois qualquer ação pedagógica a ser posta em prática depende de uma gama de interações entre os setores internos e o campo educacional.

Por outro lado, a gestão técnico-administrativa tem o objetivo de garantir que todo o ambiente escolar esteja impecável para o desenvolvimento de um ensino de boa qualidade. Isso significa identificar pontos essenciais, como:

  • manutenção predial;
  • gestão de equipes de limpeza e segurança;
  • aquisição, conserto ou substituição de materiais, equipamentos, móveis e outros insumos;
  • gestão de recursos humanos;
  • área de tecnologia;
  • alimentação;
  • contas a pagar e receber;
  • controle da inadimplência;
  • área de investimentos;
  • captação e retenção de alunos.

É importante que o gestor garanta que todos os setores mantenham um diálogo permanente. Isso inclui todo um planejamento de ações e uma gestão eficiente dos recursos humanos, para que todos os colaboradores visualizem os objetivos institucionais e cumpram com suas metas.

Na estrutura técnico-administrativa, existe a área financeira que se encarrega de tudo o que é relacionado às finanças da escola. No rol de suas atividades, está gerir o orçamento institucional, analisar os recursos disponíveis, otimizar os gastos e enxergar oportunidades de aumento de superavit.

Além disso, ela tem um papel importante no controle da inadimplência ao elaborar estratégias de relacionamento e negociação com os devedores, a fim de convertê-los à adimplência e reter as matrículas.

Nesse contexto, a gestão financeira também atua com um caráter preventivo, ao utilizar uma série de métricas e indicadores que apontam quão saudáveis estão as finanças e a quais pontos a gestão escolar deve ter atenção para evitar problemas graves.

O principal ideal da gestão financeira é otimizar a gestão educacional e garantir o uso dos recursos corretamente, a fim de dar sustentabilidade à escola. A área deve ser organizada e estar em sintonia com o planejamento estratégico da instituição.

Acadêmica

A gestão acadêmica e pedagógica é o coração da coordenação do ensino na sua escola — ou seja, a base estrutural do principal objetivo da instituição, que é a educação. Sendo assim, a gestão acadêmica tem a preocupação de que todas as diretrizes e metas do PPP estejam sendo cumpridas, assim como todas as obrigações para com os órgãos governamentais reguladores.

Essa também é uma área de gestão dinâmica, pois sua atuação acompanha as inovações e as tendências do cenário educacional. Isso implica que os componentes curriculares sejam constantemente atualizados, bem como exista a percepção de agregar novas metodologias de ensino que garantam aumento do desempenho dos alunos.

Ainda, a gestão pedagógica tem o papel de pôr em prática estratégias motivacionais para garantir o engajamento dos alunos, bem como criar pontes de relacionamento entre os pais, professores e os próprios ideais da instituição.

O planejamento pedagógico é o item número 1 do gestor, já que, a partir de um projeto bem construído, a escola terá condições de saber as necessidades de alunos e responsáveis, os meios de capacitar melhor seus professores e como conseguir o apoio de toda a comunidade escolar para o desenlace de um trabalho de alto nível.

Como deve ser a gestão de uma escola?

Para que a gestão escolar consiga cumprir seu objetivo principal — garantir a integração de todos os setores da escola —, é fundamental que a equipe responsável trabalhe com base em alguns princípios. Descubra quais são eles a seguir.

Manter uma gestão do tempo

Quando falamos sobre gestão escolar, estamos sempre preocupados com a eficiência dos processos, mas não podemos esquecer que essa eficiência depende diretamente de uma boa gestão do tempo. Os sintomas de uma escola que trabalha mal esse aspecto ficam evidentes: profissionais sobrecarregados, ausência de metas e prioridades.

Quando pensamos em como uma gestão escolar deveria ser, a questão do tempo é crucial. Diversas práticas e ferramentas podem ajudar sua equipe nesse sentido. Realizar planejamentos com antecedência, definir prioridades e organizar um cronograma para a rotina escolar são exemplos de práticas positivas.

Garantir a motivação dos funcionários

Os profissionais que trabalham na escola precisam se sentir confortáveis para lidar com suas responsabilidades diariamente. Talvez você já saiba disso, mas o que muitos gestores ainda precisam entender é que a motivação precisa ser algo recorrente, contínuo, não uma atividade pontual no calendário.

Existem várias maneiras de propor avaliações contínuas do desempenho de equipes corporativas que podem ser usadas na escola, como a autoavaliação, avaliação 90° (o gestor faz a avaliação dos funcionários) e avaliação 180° (o gestor e o funcionário entram em um consenso sobre o desempenho do próprio funcionário).

Esses momentos podem servir para a gestão escolar saber qual funcionário é ideal para cada cargo, passar feedbacks e identificar necessidades de treinamento.

Priorizar uma comunicação efetiva

É essencial manter a transparência na comunicação da gestão com os demais membros da comunidade escolar: alunos, familiares, professores e outros funcionários. As reuniões de pais e mestres são uma ferramenta importante, mas com a ajuda da tecnologia, a gestão escolar pode ir além e fortalecer os laços entre todos.

A ideia é criar e manter ativos os canais de comunicação, e que cada um consiga perceber sua importância. Por meio dos canais, todos devem ter a oportunidade de tirar dúvidas, receber comunicados da gestão, enviar sugestões e feedbacks.

Com uma comunicação interna bem trabalhada, a comunidade escolar permanece alinhada aos objetivos da gestão.

Investir no controle financeiro

Além de instituições de ensino, as escolas particulares são empresas que precisam captar, gerir e investir recursos financeiros. Nesse sentido, a equipe da gestão escolar pode ficar responsável por tomar decisões importantes sobre gastos com equipamentos, manutenções e outros aspectos envolvidos na rotina da escola.

Para que a instituição cresça de forma sustentável, os gestores precisam entender como a realidade de cada setor está integrada ao orçamento e acompanhar o alcance de metas. Existem tecnologias que ajudam a gestão escolar a integrar todos os gastos e recebimentos, garantindo uma visão geral da situação financeira.

Usar a automatização a favor da escola

Automatização é a implementação de sistemas para realizar tarefas manuais e, muitas vezes, repetitivas. No geral, esse é um processo que objetiva otimizar o tempo de uma equipe, reduzir a possibilidade de erros, diminuir a burocracia e aumentar a produtividade.

Com a automação, os funcionários responsáveis por tarefas administrativas da escola podem economizar tempo e se dedicar a tarefas mais estratégicas, que envolvem maior capacidade de análise e interação com outras pessoas.

Promover a capacitação dos funcionários

É importante que a escola conte com funcionários capacitados para seus cargos e aptos a resolverem desafios que chegam aos seus respectivos setores. Desde a parte docente até a operacional, os funcionários precisam estar alinhados aos ideais e às necessidades da escola e das pessoas que matriculam seus filhos na instituição.

Mais do que nunca, os educadores precisam se manter atualizados não apenas em relação aos fatos sociais e políticos, mas também à evolução das práticas pedagógicas e, principalmente, às novas tendências educacionais.

Para os professores, a formação continuada é um componente que está previsto na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e tem um impacto direto na qualidade do ensino oferecido na escola.

Desenvolver estratégias com o foco no aluno

Metodologias de ensino que incentivam o protagonismo do aluno são sempre bem-vindas. Elas fazem com que o ambiente escolar seja um lugar atrativo, principalmente quando consideramos que a jornada do conhecimento do aluno não termina na sala de aula.

A facilidade de buscar informações pela Internet reforça a necessidade de as escolas investirem cada vez mais na personalização do ensino, isto é, em estratégias que permitem que os alunos aprendam de acordo com suas condições, bagagens sociais e culturais, ritmo de aprendizado e outras particularidades.

Nesse desafio, cabe à gestão escolar, por exemplo, incentivar e oferecer condições para a aplicação de metodologias ativas. Essas metodologias têm muito a contribuir com o protagonismo dos alunos na relação ensino-aprendizado nas escolas.

Não há como voltar para um tempo em que os mais jovens deveriam aprender de forma passiva. O foco no aluno se tornou um pilar para a gestão de escolas, faculdades e demais instituições de ensino.

guia da gestão educacional

Preparar-se para mudanças e novidades

A gestão escolar também se traduz na capacidade de manter a instituição atenta às novidades do mercado educacional e, sobretudo, preparada para propor mudanças que melhores seus processos internos.

O que é uma gestão escolar democrática?

A gestão democrática na escola é um modelo de organização que se preocupa com a participação dos membros da comunidade escolar nas decisões tomadas pelos gestores. Isso envolve considerar a opinião de alunos, pais, diretores, coordenadores, professores e demais funcionários.

Entenda mais sobre esse modelo de gestão a seguir!

Objetivo da gestão escolar democrática

Em linhas gerais, poderíamos dizer que o principal objetivo da gestão escolar democrática é pensar no coletivo. Você poderia, então, questionar a característica principal da gestão escolar democrática, dizendo que ela, na verdade, é uma preocupação que deve estar presente em qualquer tipo de gestão.

Fato é que você teria razão de pensar assim. A busca por um espaço horizontal, mais aberto ao diálogo e onde a tomada de decisões não aconteça de acordo com uma hierarquia rígida é um valor importante para toda e qualquer escola.

Por outro lado, atualmente, as práticas no ambiente escolar nem sempre correspondem ao ideal de uma gestão democrática. Uma das razões para isso é a falta de um foco maior nas atividades capazes de promover a aproximação dos pais, da equipe pedagógica, dos funcionários da escola e dos alunos.

Gestão escolar democrática na prática

A gestão democrática na escola segue com muitos desafios para boa parte das instituições de ensino do país. Longe de ser um valor abstrato, esse modelo de gestão se mostra desde as menores até as maiores estruturas de uma escola.

O planejamento escolar anual, a transparência da instituição com o seu Projeto Político-Pedagógico (PPP), a realização de assembleias, reuniões e outros espaços de escuta são alguns exemplos de como a gestão escolar democrática aparece na prática.

Conselho Escolar, a Associação de Pais e Mestres e o Grêmio Estudantil são exemplos de estruturas maiores, que surgem com base no valor de uma gestão escolar democrática.

Como preparar a gestão escolar para gerações hiperconectadas?

As crianças e os adolescentes que ocupam as salas de aula da sua escola fazem parte de duas gerações de nativos digitais.

A turma mais velha nasceu entre 1996 e 2010, cresceu com o advento da Internet e viveu o boom das redes sociais e dos dispositivos móveis ― trata-se da chamada geração Z. Os mais novinhos nasceram de 2010 para cá, e não têm ideia de como seria a vida sem um smartphone ― estamos falando dos Alpha.

Quando falamos nos adolescentes da geração Z, a tecnologia exerce tanta influência que muitos dos seus gostos, interesses, hábitos e relações sociais estão ligados a ela. Isso acontece porque quem está no Ensino Médio tem pouca ou nenhuma lembrança do que é não ter um smartphone, uma vez que o marco desse boom aconteceu quando a empresa Apple lançou seu primeiro iPhone, em 2007.

Os Alpha começaram a chegar ao mundo justamente quando “app” (abreviação popular de application, ou aplicativo) foi eleita a palavra do ano pela American Dialect Society. Sendo assim, deram os primeiros passos já conectados a uma infinidade de jogos, aplicativos, sites e canais infantis, mas como ainda são crianças, não se sabe exatamente como serão os hábitos dessas pessoas daqui a alguns anos.

O fato é que, em decorrência da era digital, toda a sociedade está sendo transformada por conta do amplo acesso à informação e das inúmeras possibilidades trazidas pela tecnologia. Com isso, vem uma pergunta: sua escola está preparada para ensinar essa geração hiperconectada?

Se ensinar Millennials — geração anterior à Z e à Alpha, que já está ocupando o mercado de trabalho — ocasionou uma revolução na didática do Ensino Superior, é indispensável que sua gestão escolar esteja atenta aos desafios que as novas tecnologias impõem ao ensino atual.

A primeira grande mudança a ser considerada está nos paradigmas educacionais. A facilidade de acesso à informação e a familiaridade com dispositivos digitais não justificam mais o modelo de sala de aula tradicional. O professor não precisa mais atuar como palestrante e detentor do conhecimento, enquanto os alunos se preocupam em aprender teorias, conceitos e fórmulas para tirar uma nota boa em provas meramente classificatórias.

Nesse sentido, as chamadas metodologias ativas apresentam eficiência e garantem altas taxas de retenção do aprendizado. Associadas a atividades on-line, projetos de robótica e aulas de programação para crianças, além de tornarem o ensino mais divertido e significativo, contribuem para o engajamento dos alunos — já que eles passam a ser agentes no processo de ensino-aprendizagem.

Essa transformação no ensino e a inovação tecnológica fazem com que a gestão escolar também se adapte à nova realidade, uma vez que outras demandas serão agregadas aos processos pedagógico e administrativo. Um desses processos está relacionado aos canais de comunicação com os pais, que deverão ganhar agilidade.

As plataformas de estudos on-line e o portal do aluno, por exemplo, devem possibilitar que a família consiga observar as produções das crianças e acompanhar mais de perto seu desenvolvimento. Esses pontos de contato devem ter design responsivo, ou seja, devem se adaptar aos diversos dispositivos, como tablets, computadores e smartphones.

Com o auxílio da TI, todas as áreas da escola precisam ser adaptadas. Um amplo investimento na capacitação profissional do corpo docente e dos funcionários deve ser feito, para agregar as novas propostas e metodologias de ensino à cultura organizacional.

Qual é a importância do planejamento para a gestão escolar?

O planejamento é a base para a definição de objetivos e metas na gestão escolar. Normalmente, os colégios já destinam o mês de janeiro para a organização das propostas para o ano letivo que se inicia. Do ponto de vista da gestão escolar, esse planejamento deve se estender a todos os setores do colégio, não apenas o pedagógico.

Esse é o momento em que o colégio faz uma avaliação geral dos pontos positivos e negativos de sua atuação interna, bem como das forças e fraquezas do ponto de vista do negócio. Com base nos resultados dessa análise, os diretores e coordenadores terão condições de elaborar ações para incrementar o que está dando certo, corrigir os erros e determinar aonde a instituição quer chegar.

O planejamento inclui um conhecimento dos cenários micro e macroinstitucionais. Entre os pontos a considerar, podemos elencar alguns:

  • revisão do Projeto Político-Pedagógico;
  • proporção entre alunos ingressantes e formados;
  • taxa de evasão (e seus motivos);
  • nível de satisfação dos alunos;
  • conhecimento do perfil socioeconômico dos alunos;
  • aprovação em instituições de Ensino Superior;
  • quantidade de demissões e contratações;
  • grau de engajamento dos colaboradores;
  • conhecimento da marca institucional pela comunidade;
  • investimentos em equipamentos, reformas ou ampliação do espaço;
  • retorno sobre investimento (ROI);
  • conhecimento da atuação dos concorrentes diretos;
  • gestão sustentável na escola.

Todo esse roteiro é importante para chegar a um diagnóstico sobre a realidade institucional e embasar o planejamento estratégico. Para que isso aconteça, a escola pode utilizar uma série de recursos, como um sistema on-line de gestão escolar, pesquisas com o público interno e a comunidade, entrevistas, estatísticas, documentos e quaisquer outros dados disponíveis.

A partir do momento em que a instituição de ensino toma consciência de seu real posicionamento e de todos os desafios a enfrentar, tais objetivos e metas se tornam muitos mais factíveis e possibilitam transcender os principais problemas. Tudo isso tem o objetivo de alcançar um novo patamar de crescimento, tanto do ponto de vista pedagógico quanto de negócio.

Qual é a importância da tecnologia na gestão escolar?

Assim como em qualquer empresa, a transformação digital chegou à gestão de instituições de ensino com o objetivo de simplificar processos, integrar pessoas, agilizar as tarefas e maximizar resultados. Igualmente aos demais segmentos de mercado, as novas tecnologias propiciam melhor produtividade e aumento do foco no core business das escolas — os serviços pedagógicos.

A utilização das chamadas TICs (Tecnologias de Informação e de Comunicação) é um bom exemplo. Trata-se de um conjunto de recursos tecnológicos que viabilizam os processos nas empresas. No caso de uma escola, os benefícios se estendem do âmbito administrativo para o pedagógico, e propiciam que o ensino seja desenvolvido de uma forma mais dinâmica, a fim de torná-lo instigante aos alunos — que, como dissemos, será colocado no centro do processo de ensino-aprendizagem.

Além disso, as TICs exercem um papel importante na comunicação, em especial com os pais, ao proporcionar um atendimento mais personalizado, padronizado e eficiente, independentemente da distância. Com isso, a quantidade de erros e retrabalhos tende a cair muito, uma vez que já existem tecnologias capazes de aprender com as demandas dos usuários e fornecer respostas mais precisas para o que eles desejam, como o caso dos chatbots (robôs que substituem o ser humano no atendimento).

Esses recursos dotados de inteligência artificial não apenas são capazes de registrar respostas padronizadas, como também aprendem a partir das interações com os usuários. As principais escolas do mundo já reconhecem o poder de unir a Internet das Coisas à educação, e utilizam esses e muitos outros recursos.

Como, em tese, qualquer aparelho pode ser conectado à Internet — de grandes máquinas a um simples liquidificador —, essa tecnologia associada à gestão escolar pode gerar muitos benefícios. Confira os principais:

  • melhor controle de segurança e frequência;
  • aprendizagem interativa e educação híbrida;
  • observação do nível de desempenho e engajamento dos alunos (individual e coletivo);
  • observação do desempenho do corpo docente;
  • integração dos ambientes da escola;
  • comunicação mais eficiente.

Todos esses dispositivos e softwares geram uma infinidade de dados que, se reunidos em uma plataforma adequada, podem ser utilizados para uma tomada de decisão mais precisa — em relação às práticas educativas e à área administrativa.

Quais desafios a pandemia de Covid-19 trouxe para a gestão escolar?

A nova realidade da pandemia de Covid-19 teve um impacto considerável na rotina de professores, familiares, alunos e profissionais das escolas.

Novas responsabilidades apareceram para a gestão escolar, como a migração das aulas presenciais para o ensino remoto. Os professores passaram a se preocupar com o uso das novas ferramentas para dar aulas e manter uma comunicação com alunos e familiares.

Os alunos precisaram se adaptar ao ensino exclusivamente mediado pelas telas. Os familiares tiveram que mudar a rotina para ajudar crianças e adolescentes, além de lidar com as demandas de trabalho home office e com outros desafios que surgiram nos lares em função das medidas de isolamento social.

Veja, logo abaixo, algumas tendências na educação que se fortalecem no pós-pandemia e merecem a atenção da gestão escolar:

  • ensino híbrido;
  • digitalização da rotina e da comunicação com os alunos e seus familiares;
  • gamificação e uso de ferramentais digitais para tornar as aulas mais dinâmicas;
  • maneiras de compreender e lidar com problemas como ansiedade e depressão, que atingem cada vez mais crianças e adolescentes.

Os novos caminhos para a relação com o conhecimento são sempre desafios para as escolas, e a melhor forma de buscar soluções adequadas é envolver toda a comunidade escolar nas decisões da gestão.

Por que usar um sistema para melhorar a gestão escolar?

Uma das formas mais eficientes de integrar todos esses processos sobre os quais falamos até agora é com a utilização de um sistema de gestão escolar. Esse recurso é capaz de substituir processos analógicos por digitais de forma automatizada.

Isso extingue um grande número de tarefas repetitivas, além de permitir o registro de todos os dados de cada membro da instituição de ensino (alunos, professores e funcionários) para um controle de gestão mais seguro e confiável.

Os melhores softwares de gestão escolar são aqueles capazes de integrar, em um só sistema, a área pedagógica, a administrativa e a financeira. Essa ferramenta gera informações complexas automaticamente, desde o cálculo das notas dos alunos até a emissão de boletos e notas fiscais.

Do ponto de vista financeiro, é possível fazer um acompanhamento de todo o fluxo de caixa da escola e reunir informações que, porventura, poderiam passar despercebidas, como é o caso de gastos do cotidiano. Além disso, como explicamos, é possível resolver problemas graves, como a questão da inadimplência, bem como melhorar estratégias de captação de alunos.

Por fim, a instituição de ensino economiza tempo e amplia os acertos na realização das tarefas, pois todas as informações estão centralizadas. No caso dos gestores, esse acompanhamento ainda pode ser feito em tempo real, uma vez que os dados ficam armazenados on-line (com a chamada tecnologia cloud computing) e podem ser acessados de onde o gestor estiver, a partir de qualquer dispositivo.

Como o Lyceum pode ajudar sua instituição?

Lyceum é um sistema de gestão educacional desenvolvido pela Techne, que consegue realizar todas as atividades relacionadas às questões pedagógicas e financeiras. Com o auxílio do sistema, sua escola conseguirá gerir, de forma eficiente, a organização dos cursos, acompanhar a execução do projeto pedagógico e fazer uma avaliação contínua do desempenho acadêmico e financeiro — desde a matrícula até a formatura dos alunos.

Ao longo de 20 anos de estudos, os desenvolvedores conseguiram aprender as melhores práticas da gestão escolar, a fim de construir um sistema robusto, completo e totalmente flexível às demandas da sua instituição.

Por utilizar tecnologia de ponta inteiramente on-line, o Lyceum também proporciona conforto e facilidade a pais e alunos, que podem ter acesso rapidamente a informações da rotina acadêmica, além de solicitar serviços e realizar operações a qualquer hora do dia e de qualquer lugar, sem perder tempo com deslocamentos.

Os professores também se beneficiam, pois têm acesso a um portal on-line que permite o cadastro de todas as informações da vida acadêmica de seus alunos (de avaliações a notas), além de emitir avisos e disponibilizar dados importantes.

Para o gestor, o Lyceum oferece o Painel de Inteligência Educacional, uma ferramenta importantíssima, por meio da qual ele tem uma visão integral do que está acontecendo no colégio nos seguintes aspectos:

  • desempenho institucional;
  • performance do corpo docente;
  • situação dos alunos;
  • processos de captação;
  • faturamento.

Esses dados são exibidos por meio de gráficos que facilitam a análise dos relatórios gerenciais. Além disso, coordenadores e os próprios docentes têm acesso a informações pertinentes no Painel de Inteligência Educacional.

A última novidade é que, em 2018, o Lyceum fez uma parceria de integração com o sistema de gestão empresarial alemão SAP Business One. Esse ERP (Enterprise Resource Planning, ou Sistema Integrado de Gestão Empresarial) é uma plataforma voltada para a integração de cada operação financeira da escola, e proporciona a reunião de dados fidedignos em um único sistema.

Atualmente, o Lyceum faz a gestão educacional de mais de 2 milhões de alunos e atende algumas das mais renomadas instituições de ensino do Brasil, com um índice de 92% de satisfação. Alguns dos clientes Lyceum são:

  • Colégio Miguel de Cervantes;
  • Colégio Pentágono;
  • FGV;
  • FAAP;
  • Grupo Bom Jesus;
  • UNIP/Objetivo.

Para você alcançar os melhores resultados na gestão escolar, a fim de ampliar o desempenho e a competitividade da sua instituição de ensino no mercado, seu planejamento deve unir estratégia e os benefícios da tecnologia. Em meio à transformação digital, uma escola que reluta em abraçar as soluções que o mercado de TI oferece corre o risco de se distanciar do que há de mais moderno em termos de administração escolar e inovações no ensino.

Somente com a modernização das suas ferramentas de gestão escolar será possível traçar um planejamento potencializador de resultados, com ações mensuráveis. Para entender como a tecnologia pode se aliar às melhores práticas de gestão em instituições de ensino, entre em contato conosco!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Parceiros