peer instruction

Peer Instruction: como adotar esse método em sala de aula?

Atualizado em

Um dos maiores desafios dos professores é incentivar sua proatividade desde a fase de abordagem teórica do conteúdos. Pensando nisso, não raro os líderes acadêmicos têm recorrido às chamadas metodologias ativas de aprendizagem, como é o caso da Peer Instruction (Instrução entre os Pares, em tradução literal).

Concebida pelo professor de Física da universidade norte-americana de Harvard, Eric Mazur, na década de 1990, o objetivo é eliminar a chamada “transferência de informação” e propiciar que os alunos, de forma autônoma, encontrem as informações necessárias para compreensão dos conteúdos.

Trinta anos depois, a Peer Instruction segue com resultados positivos, especialmente associada às tecnologias digitais. Em outro post de nosso blog, explicamos detalhadamente a origem da Peer Instruction. Agora, vamos lhe mostrar de que maneira adotar a metodologia em sua IES. Continue conosco e boa leitura!

Como funciona a Peer Instruction?

A Peer Instruction é uma metodologia que proporciona estímulos à interação social em sala de aula, ao mesmo tempo que incentiva o estudo fora dela.

Dados comprovados em estudos como o “Peer Instruction: ten years of experience and results” (publicado no American Journal of Physics, em setembro de 2001) apontam ganhos sistemáticos no aprendizado de alunos expostos à metodologia, em relação àqueles que se mantiveram no ensino tradicional. De acordo com a pesquisa, notou-se maior habilidade na resolução de problemas e maior compreensão dos conteúdos em eixos como cálculo e álgebra ― tanto no âmbito teórico quanto na aplicação efetiva.

Como dissemos na introdução deste artigo, a Peer Instruction incentiva a proatividade e autonomia do aluno na busca pelo conhecimento. Para tanto, antes do encontro presencial são oferecidas leituras a respeito do tema proposto, em caráter introdutório.

Com base nesse conhecimento prévio, uma vez em sala de aula os alunos participam de debates mediados pelo professor e respondem a questões conceituais baseadas nas dificuldades do grupo. Antes do final do encontro, o professor afere o índice de acertos por meio de testes programados e determina se o conteúdo foi absorvido pela maioria. Dessa forma, o ensino se torna muito mais personalizado, com aulas direcionadas para o perfil de cada turma.

Em algumas instituições, a Peer Instruction é tão relevante que foi criada até mesmo infraestrutura especial para sua aplicação. Um dos exemplos mais bem-sucedidos está no Massachussets Institute of Technology (MIT). Ali foi desenvolvido um centro para estudos das disciplinas introdutórias de Física totalmente voltado à aprendizagem ativa.

Batizadas de TEAL/Studio Physics, duas salas de 3 mil metros quadrados abrigam várias mesas informatizadas das quais os alunos acompanham as explicações do professor, que fica ao centro do grupo. Por meio de tecnologia digital, como animações, eles visualizam os conceitos.

Como forma de interação com os conteúdos, são realizados experimentos em grupo e análise de dados com o auxílio dos computadores. Na sequência, o professor faz uma série de perguntas, as quais são respondidas por meio de um sistema interativo. Em tempo real, o professor tem condição de aferir o nível de aprendizado.

8 passos para utilizar a Peer Instruction

1. Antes da aula

O professor oferece materiais preparatórios, a serem lidos fora do horário de aula. Podem ser textos físicos ou conteúdos digitais diretamente no ambiente virtual de estudos.

2. Início da aula

Acontece uma breve explicação em que são introduzidas questões conceituais. Trata-se de um momento de revisão dos conteúdos previamente estudados.

3. Primeiro teste

Após a revisão dos conteúdos, é hora de o professor saber o quanto os alunos aprenderam até ali. Para isso, o professor estipula perguntas com diferentes níveis de dificuldade. Nessa fase, espera-se que índice de acertos fique entre 40% e 70%.

4. Respostas individuais

Cada aluno dá sua resposta individualmente. O professor define a maneira ― levantando cartões coloridos, as mãos, formulários online, clickers etc. Essa etapa é fundamental para aferir os resultados.

5. Escolha do caminho

Com base na taxa de acertos, o professor decide os rumos da aula. Isso pode incluir uma breve revisão dos conteúdos, recomeçar do zero, ou mesmo seguir em frente.

6. Debate entre os alunos

Se o índice de acertos estiver entre 40% e 70%, é importante que os alunos discutam o tema juntos. Formam-se grupo de discussão a respeito das questões apontadas e como raciocinaram para tais respostas.

7. Novo teste

Como forma de garantir a construção coletiva da aprendizagem, é feito um novo teste conceitual em que os alunos darão respostas individuais da mesma maneira. O professor, em seguida, realiza nova contagem dos resultados e verifica a taxa de evolução dos alunos.

8. Próxima ciclo

Com a avaliação o professor determina o quanto a classe aprendeu, e se é hora de encerrar o assunto e prosseguir para um novo ciclo de desafios.

Quais as vantagens de utilizar esse método?

Integra o grupo-classe

Para que os conteúdos sejam compreendidos plenamente, a interação entre os colegas se torna fundamental. Com isso, a metodologia integra toda a classe em prol de um objetivo comum e todos conseguem perceber sua evolução.

Estimula a proatividade dos alunos

Com a Peer Instruction, o aluno se torna agente na produção do próprio conhecimento e participa ativamente das aulas. Dessa forma, a taxa de retenção da aprendizagem tende a aumentar consideravelmente.

Reforça a importância das metodologias ativas

A Peer Instruction corrobora a tendência de as IES passarem a utilizar cada vez mais as metodologias ativas de aprendizagem, essenciais para aumento do dinamismo da sala de aula.

Agrega o uso de tecnologia

A Peer Instruction é uma das metodologias que possibilita a chegada da inovação tecnológica à sala de aula, atendendo às expectativas da atual geração de alunos universitários e demandas de aprendizagem.

Quais pontos merecem destaque?

Confira, a seguir, alguns pontos que merecem destaque na utilização da Peer Instruction.

Aprender utilizando fontes primárias

A partir dos elementos fornecidos pelo professor, o aluno inicia o processo de ensino-aprendizagem antes mesmo da sala de aula. Inserir esse hábito no contexto do estudante é importante para que ele ganhe independência na construção do próprio conhecimento e não mais espere o horário do encontro presencial para ter o primeiro contato com qualquer conteúdo.

Oferecer feedbacks constantes

Como a Peer Instruction se baseia nas respostas oferecidas pelos alunos, tanto os professores quanto os estudantes estão recebendo feedbacks constantes. Esses retornos são essenciais para que ambas as partes se conscientizem do que é necessário para que o aprendizado torne-se mais efetivo e veloz.

Permite a experiência da colaboração

Uma aula teórica, não raro, costuma ser uma experiência individualizada (vale se lembrar, inclusive, da tradicional disposição de carteiras enfileiradas).

Com a Peer Instruction, a sala de aula obrigatoriamente se torna um grande centro de discussão com grupos que precisam fornecer suas colaborações, a fim de que o aprendizado avance. Isso também é importante para o relacionamento interpessoal e dar voz a alunos que, porventura, tenham dificuldade de expor suas ideias.

Dá um novo papel ao professor

O professor deixa o papel de detentor do conhecimento e passa a ser um tutor, responsável por apontar os melhores caminhos do aprendizado. Além disso, ele tem condições de conhecer os alunos mais efetivamente e saber como cada estudante — e a própria classe — consegue avançar de maneira mais positiva.

A Peer Instruction é uma das metodologias ativas mais interessantes, pois permite que o professor esteja em constante contato com os alunos e acompanhe de perto o processo de ensino-aprendizagem individual e coletivo. Com isso, é possível explorar o que cada turma tem de melhor a oferecer na construção dos conhecimento e permite ao docente corrigir falhas de didática que seriam mais difíceis de reconhecer no modelo de ensino tradicional.

Agora que você já conhece a importância de adotar um ensino inovador, por meio de metodologias como a Peer Instruction, continue conosco e confira esse artigo sobre como adotar a tecnologia na gestão escolar. Boa leitura!

mapa de metodologias ativas

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.